segunda-feira, 1 de junho de 2009

Soneto da Fidelidade.

Vinícius de Morais


De tudo, meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor ( que tive ) :
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.



Ao ler este poema, não pude deixar que
fazer a seguinte oração:

Senhor permita que a fidelidade do meu
tão fragil jeito de amar, não fique somente
nos versos e desvaneios dos mais delirantes
poetas, que eu possa ser enxarcado dessa
fidelidade ao ponto de deixar marcas por onde
quer que eu passe e salpicar em quem comigo
caminhar.....






Um comentário:

raquel disse...

obg....q lindo e DEUS PURINHO
Q MARAVILHA...
QUE PAZ
Q BLOG ++++ LINDO
MTO OBG..
ADOREI A VISITA...
DEUS E FIEL..
SABE TUDO....