quinta-feira, 7 de maio de 2009

JARDIM DE AÇO.


Pr.Abimael Alves


Em meio ao caminho me veio à indagação; Deus por que o senhor insiste em continuar nos amando, mesmo sem merecermos, mesmo em meio a tanta rejeição? O que há em nós que faz com que o senhor se sinta tão atraído por nós?



Então tentei mediocremente, fazer um ridículo paralelo, entre as minha forma de amar e a divina forma de Deus.



Então falei em meus pensamentos; Eu não consigo ser assim, fico me culpando por ter amado e ter sido traído, por ter me entregue em uma relação afetiva e não ter sido correspondido com a verdade, me culpo por não ter sido mais “experto” e ter visto antes que tudo isso ia acontecer, me torturo em uma seção mórbida por não ter sido mais razão e menos coração, dilacero a minhas noites de sono com um misto de tristeza e decepção comigo mesmo, me cobro porque acreditei na força restauradora do amor, me vejo açoitando minha própria alma por ter se feito como criança correndo aos braços e recebendo a quem tanto amei, estes chamei de amigos, e os recebei como irmãos, e os amei como sendo eles o meu próximo.



Quando pensei que a resposta seria melancólica e sustentadora dos meus sentimentos, quando pensei que receberia o aval de Deus para minhas desilusões, quando pensei ter “colocado Deus na parede” e que agora não haveria outra saída para Deus a não ser me apoiar nas minhas decisões, ai então mais uma vez por ele fui surpreendido.



Ao dizer a ele, sabe Deus, já que o amar é uma decisão, então eu não vou mais amar ninguém, não vou mais me entregar em nenhum relacionamento que necessite de afetividade, desisto de acreditar no amor das pessoas, não vou mais acreditar no abraço, nem vou mais deixar que meu coração se quebrante diante de declarações humanas de lealdade e amor eterno, as lágrimas irei guardá-las no poço da alma, o beijo deixarei pendurado no salgueiro, o amor exposto ficará, como memorial de algo que foi bom mas que agora é passado, ao meu próximo um bom dia aos meus inimigos indiferença.



Nem mesmo havia terminado de concluir meus pensamentos, quando fui atingindo por um filete da Graça Divina que na sua grandeza se fez minúscula para poder passar por uma pequena fresta de lucidez e amor divino que ainda tremulava em minha alma, surgiu um raio de sol diferente desses que os olhos podem ver e o corpo pode sentir, e abrasou o meu coração e penetrou pelas cicatrizes angariadas nas batalhas que a vida nos empoe, foi até o centro da vida onde ninguém mais pode chegar, foi até a divisão entre a alma é o espírito, entre ossos e medulas.



Chegando lá não se fez de rogada, a Graça Divina olhou para as paredes pichadas da minha alma, desenhos obscuros, obras inacabadas, projetos mal construídos, corres colocadas em lugares errados, quadro fora do lugar, pinturas feitas em tempo fora do tempo.



Assim puxou uma cadeira e sentou-se calmamente, olhou em minha direção me convidou para sentar em uma outra cadeira que estava a sua frente, e com um olhar terno porem firme, e com uma tom jamais contemplado ecoou uma voz que com certeza não era voz humana era a voz do coração de Deus.



E assim disse; Filho está tudo errado, não se culpe, nem mesmo se condene, por não conseguir deixar de amar, não se martirize por acreditar que amar vale a pena, não dilacere seus sentimentos por investir no maior e mais amado e importante projeto de Deus chamado pessoas, seres humano.



Porque quero que todos saibam que eu continuo a te amar como também a toda a humanidade, porque o defeito não está em que se doa em amor o defeito está em que rejeita esse amor, por isso se torna digno de Graça Divina e da misericórdia do Pai, isso não me desmovita, muito pelo contrario me faz desejar amar mais e mais, porque sei que quando menos merece mais precisa, quanto mais deseja se afastar mais necessita estar junto, quanto mais alto a boca grita não, o coração alardeia, sim eu quero.


Por tudo isso e muito mais não desista de amar, por tudo isso e muito mais não deixe de acreditar que o amor cura feridas, que o amor alegra alma, que o amor traz novas cores para as paredes do coração, que o amor levanta o espírito que esta abatido, que o amor traz a tona os sonhos que já haviam naufragados, que o amor aformoseai o rosto, que o amor transborda pelos olhos em lágrimas, que o amor desafoga a vida em meio as turbulências do mar da nossa existência, o amor faz brotar em meio a terra seca uma semente de esperança, o amor faz nascer no jardim de ferro as margaridas da GRAÇA DIVINA.



Ao ouvir tudo isso vindo diretamente do coração de Deus, não pude fazer outra coisa a não ser chorar, chorar e chorar, mesmo estando na rua, caminhando em meio ao afazeres do dia a dia, não pude recusar o convite de Deus para lavar a minha alma com a água do Espírito Santo, untar minhas feridas com o Santo bálsamo de Giliarde, e assim poder olhar para o céu e disser muito obrigado Senhor, por não me deixar desistir de continuar na mais divina de todas as artes. A ARTE DE APRENDER AMAR, então Senhor faz a minha vida encostar no alvo do teu amor.
A Deus toda honra e toda gloria.





Um comentário:

Prª Cleusa Maria disse...

Parabens pela excelencia em literatura, somos carentes tanto de palavra quanto de analise de literatura de homens como Augusto Cury e outros. Homens que descobriram os meios de pregar o evangelho de forma tao eficiente capaz de alcançar todos niveis e gostos, desenvolvendo habitos de leitura de forma saudavel!